Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2014

O país dos pulhas sem lei e com a sua própria lei!

Imagem
Portugal - O país em que os inocentes se silenciam vilmente e que se arrasta por entre um antro de corrupção imenso e abjectamente na impunidade grosseira ! Já dizia o Marquês de Maricá que “um povo corrompido não pode tolerar um governo que não seja corrupto”.

Ao olhar para este dia de hoje, que apelidei de o "silêncio dos inocentes", em que este povo escravo, a quem chamam eleitor e cidadão apenas no dia de eleições, e que de forma servil se dispôs a mais uma vez legitimar estes poderes corruptos, só posso sentir ainda mais tristeza pelo meu país, que assim nunca terá qualquer hipótese de vir a ser governado com justiça e a viver em democracia séria.

Temos de facto um povo que já acostumou, de há séculos e agravadamente de forma abjecta nos ultimos 39 anos de suposta democracia, a conviver com a desordem, com a corrupção, com a miséria e com a impunidade.

A ausência da justiça e a corrupção que grassa nesta também nestes poderes supostamente independentes, não podem pois e…

Uma questão de método !

Imagem
Na Grécia antiga os filósofos transmitiam aos seus alunos não apenas conhecimentos mas também, e utilizando uma terminologia moderna, o "know-how" (o conjunto de capacidades e das experiências) do pensamento e da arte de pensar.
Sócrates (o filósofo grego), por exemplo disse "A sabedoria da alma cura o corpo", uma máxima que evidencia como naquela época, relativamente ao nossos dias, havia maior consciência das ligações entre espírito e corpo e das imensas possibilidades do pensamento.
Nas escolas modernas ensina-se a memorizar um grande número de conteúdos; aprende-se a repetir mecanicamente , a escrever, a desenhar, a fazer cálculos, mas substancialmente não se ensina "como pensar" e menos se ensina a influência que o pensamento tem no resultado final (incluindo as notas).

Extraído do livro "Visualização positiva" de Gudrun Dalla Via

Pelos vencidos (Sempre) !

Imagem
"..(..)... Não te poderás considerar um verdadeiro intelectual se não puseres a tua vida ao serviço da justiça; e sobretudo se te não guardares cuidadosamente do erro em que se cai no vulgo: o de a confundir com vingança.
A justiça há-de ser para nós amparo criador, consolação e aproveitamento de forças que andam transviadas; há-de ter por principio e por fim o desejo de uma Humanidade melhor; há-de ser forte e criadora; no seu grau mais alto não a distinguiremos do Amor.
Por isso mesmo estarás sempre ao lado dos vencidos que se tratam com arrogância, com brutalidade ou com desprezo; não te importarás que as suas ideias sejam diferentes das tuas, mover-te-á o olhares que são homens e não hás-de duvidar nem um momento da infinita possibilidade que neles há, de um mais defenido pensamento e de um mais perfeito proceder; não os vejas como condenados para sempre à mesma estrada que tomaram; que exista para ti a esperança das reflexões e dos regressos.

Ao teu amigo ou adversário dirás…