26/04/2011

As energias renováveis e a grande oportunidade de Portugal se re-inventar já hoje!


Julgo que ninguém duvida sequer no Mundo, que as energias renováveis vão constituir enorme riqueza para quem primeiro conseguir materializar redes e sistemas o mais integrados possível, tirando partido das mais recentes tecnologias, e sobretudo de uma forte capacidade de inovação, a qual só por si constitui já hoje o grande motor das economias mais desenvolvidas do mundo.
Até aqui julgo que não terei nenhuma contestação de ninguém porque todos estaremos de acordo.

Pois se temos um País com exíguos recursos naturais à luz do Séc XIX (embora não tão poucos assim e ainda dignos de serem explorados, como é o caso do lítio para as baterias dos automóveis eléctricos, onde, vejam senhores, até a sorte se conjura para nos ajudar, e nós teimamos em não apanhar o comboio!!??), será natural sejamos os primeiros que nada temos a perder (nem sequer temos que destruir valor com outros países terão que fazer!), a lançarmo-nos “de cabeça” em projectos inovadores, tirando partido do enorme potencial criativo, já demonstrado ao longo de gerações de portugueses inventores, como é o caso das energias alternativas.

Não temos petróleo, gás natural, produção de combustíveis de origem vegetal, ou qualquer outra fonte de energia de rentabilidade assegurada, pois tudo temos de adquirir ao estrangeiro, excepto o que algumas barragens produzem, mas que não serve nem metade das nossas necessidades energéticas, seria, à luz dos conhecimentos que detenho e do que outros países estão já a fazer, de começar já hoje, e em força, a investir fortemente num projecto global e abrangente para o País inteiro, que integrasse os vários sub-sistemas de energias renováveis, a implementar pelo País inteiro, incluindo neles o nosso mar sem fim!!

E por isso não entendo um Portugal, os Portugueses, o Governo e os empresários deste País, que se continuam a manter de braços cruzados, "à espera que a crise passe", e hesitam em se lançar com toda a sua força em projectos de energias renováveis, como base na energia solar e eólica, pelo país inteiro onde fossem obrigatóriamento incluindos os Municípios de Norte a Sul, os quais teriam que garantir algum nível de empreendedorismo, as empresas do Estado (que com os elevados lucros que obtêm à custa do esforço dos portugueses bem poderiam investir em projectos à partida altamente rentáveis e de elevado interessse para o futuro da nação).

Haveria que lançar igualmente um carro eléctrico, mas de base tecnológica e/ou integração de componentes integralmente portugueses, e tirando igualmente partido das ultimas tecnologias e inovações que vão pelo mundo neste segmento, que viesse a ser de tal forma competitivo, que a sua adopção para os percursos citadinos não oferecesse qualquer dúvida aos cidadãos dentro de 2-3 anos (numa relação custo/benefício inequívoca e bem atractiva).
A par com o lançamento de uma rede de parques de estacionamento pelo país inteiro e outros edifícios públicos e privados, que teriam obrigatoriamente painéis solares e geradores eólicos, adaptados com sistemas de abastecimento para os veículos.

Sobre o futuro dos carros eléctricos, de que eu não duvido sequer do seu sucesso a curto prazo em todo o mundo, pois é a tecnologia com mais maturação na industria automóvel, e alternativa de sucesso e já devidamente testada, relativamente aos tradicionais motores de combustão. E a vantagem para um país como o nosso é então de todo inegável.
Apenas para reforçar o argumento atrás referido, não quero deixar de citar alguém, não só acredita como já lançou mãos à obra e afirma mesmo que ‎"Em menos de uma década, o carro eléctrico será, no mundo inteiro, o nº 1 de vendas. Esta é a maior oportunidade financeira que o mundo alguma vez já viu." E quem o diz é Shai Agassi, fundador da Better Place, a mais sofisticada empresa de carros elétricos do mundo. ( http://www.time.com/time/world/article/0,8599,2066975,00.html ).
O tão urgente re-lançamento da indústria portuguesa deveria processar-se em força sob a égide das energias renováveis, colocando centros de investigação e universidades interligadas muito de perto com as empresas (a tão badalada ligação unversidades - empresas, mas nunca materializadas teria aqui a sua oportunidade de ouro), no sentido de criar produtos e soluções de ponta, inovadoras e sobretudo com a capacidade de poderem vir a ser competitivas nos mercados externos. Poderíamos assim, não só desenvolver-nos internamente, em termos de sistemas eólicos, tecnologias de painéis solares e outras que lhe estão agregadas, sistemas com exploração das energia das ondas do mar, etc, e sobretudo o desenvolvimento de gerações de EV (Carro eléctrico), que não só tivessem sucesso em Portugal, mas com o potencial competitivo de virem igualmente a ser apelativos nos mercados externos.
Deste modo, todas estas soluções baseadas nas tecnologias atrás referidas deveríam ter com o objectivo primário e logo ser norteadas na sua concepção, por forma a constituirem-se em produtos de excepcional qualidade, de inovação ímpar e de competitividade alargada, com vista à sua exportação massiva, de acordo com as necessidades específicas dos mais diversos mercados externos de todos os continentes, sem excepção. Neste objectivo estratégico nacional seria mandatório que toda a tecnologia possível fosse de incorporação nacional, muito embora encontrando externamente as sinergias, que hoje são uma mais valia em qualquer projecto, através das flexibilidade e agilidade proporcionadas pela globalização.
O país teria aqui o seu grande impulso económico, de que nunca teve oportunidade impar ao longo da sua história, a não ser na época dos descobrimentos, podem crer.

E porque não haverá o País também de criar legislação mais efectiva que obrigue a que todas as novas construções (públicas e privadas) tenham que obrigatóriamente se dotar de autonomia em energia eléctrica e água potável baseadas em fontes de energias renováveis, em pelo menos 50% / 60 % dos seus gastos totais energéticos e de água potável.

De todos estes projectos e acções atrás referidos, não só resultaria imensa riqueza para o País, como uma enormidade de empregos, desde os que exigem menores qualificações até aos mais qualificadissímos quadros de gestão, técnicos e investigadores de elevado potencial e realizações pioneiras mesmo.

Mas o que impede então o Governo, os Empresários, Organismos e Empresas do Estado, Parcerias estratégica Estado Empresas nestes domínios e bem negociadas, e outros, de avançar e fazer progredir a Nação Portuguesa?
Estarão, por preguiça e conformismo puro, à espera que seja uma qualquer multinacional, daqui a 3-5 anos, a vir concretizar inevitavelmente estes projectos e a lucrar aos milhões, mas para fora de Portugal ?
Portugueses, temos pela nossa frente uma das maiores oportunidades de o País sair na linha da frente, no campo das energias renováveis, e inovando por forma a superar a actual crise e mesmo a criar mais riqueza, de que tanto necessitamos para continuarmos a ser um País considerado desenvolvido, e com níveis de vida dignos de europeus, que somos e merecemos !

Então pergunto? De que estamos nós à espera para lançar mãos à obra e um projecto verdadeiramente ambicioso e de nível nacional ??

E para todos quantos ainda colocam em dúvida a aposta de Portugal nas energias renováveis e poderão não ter percebido adequadamente o alcance das ideias que aqui propus deixo esta nota extraída da página "Sourcing Innovation" (http://blog.sourcinginnovation.com/2011/04/03/you-know-your-country-is-falling-behind-on-sustainability-when-.aspx?ref=rss ).
Fontes renováveis de energia podem suprir 80% da demanda mundial

Energia para o futuro
"Saber se os governos farão isto ou não será um fator determinante para que as metas climáticas globais sejam atingidas, diz o relatório.
No entanto, o IPCC afirma que os governos terão de acelerar suas políticas para estimular o investimento em fontes renováveis se quiserem que esta indústria cresça substancialmente.
O estudo também conclui que há mais que o necessário para atingir as necessidades de energia actuais e futuras do planeta.
"O relatório claramente demonstra que as tecnologias renováveis podem suprir o mundo com mais energia do que ele pode vir a necessitar e a um custo altamente competitivo", disse Steve Sawyer, secretário-geral do Conselho Global de Energia Eólica.
"O relatório do IPCC será uma referência-chave tanto para autores de políticas públicas quanto para a indústria, pois representa a mais abrangente revisão de alto nível da energia renovável até agora", afirmou.".
" Você sabe que seu país está ficando para trás em sustentabilidade quando ...???

O país mais sujo, sábio em energia, no planeta quase igual ao seu (USA), tem produção eólica de energia per capita no prazo de cinco anos. Sustentabilidade é uma grande parte da estratégia da China e há de novo plano de cinco anos , e o objetivo é aumentar a produção de energia eólica de 90 gigawatts (GW) de energia até 2016 a partir do nível de produção atual de 40 GW. (Fonte: The Next Five Years ) Actualmente, os EUA, líder mundial na produção de energia eólica, produz 35 Meare GW de energia eólica.

Mas o mais importante é o compromisso da China de reduzir a intensidade energética por unidade do PIB em 16%, reduzir a intensidade de carbono por unidade do PIB em 17%, e não aumentar os combustíveis fósseis para 11,4% do mix de energia primária até 2015. Para um país que atualmente se baseia em carvão sujo (whch é de 70% do mix de energia), esta é uma meta agressiva. E ainda mais agressivos são os seus objetivos para 2020 de redução da intensidade de carbono por unidade do PIB em 40% e aumentar a produção de energia sustentável para 15%.

Considerando que a China tende a realizar tarefas que ele coloca a sua mente para, este é um começo impressionante para um esforço de sustentabilidade, que foi em face da necessidade" "A necessidade aguça o engenho".
Quem disse que as energias renováveis não podem ser o sucesso de Portugal nos próximos 5-10 anos?? Os "velhos do restelo" ou quem não está informado o suficiente e se pronuncia sobre o que não sabe??
Comparação de custos de Energias renováveis versus Combustiveis fósseis ( http://www.energyquest.ca.gov/story/chapter17.html )

Comparative Cost Of Wind And Other Energy Sources ( http://mapawatt.com/2011/04/27/costs-of-clean-energy-vs-dirty-energy/ )

Autor: Francisco Gonçalves
Francis.Goncalves@Gmail.com
Skype : fasgoncalves

"Os humildes  podem herdar a Terra, mas não os seus direitos minerais" [Lei De Murphy] Será?

A falta de produtividade em Portugal é essencialmente uma questão ética e moral !

A baixa produtividade de que vem enfermando o país, é também um caso de grave indignidade e espelha o país onde a moral e a ética estão completamente ausentes, tal como a responsabilidade individual e de grupo, e a todos os níveis!

A busca da excelência e o comprometimento com elevados níveis de profissionalismo exige empenhamento sério, trabalho árduo, competência, criatividade, flexibilidade e capacidade crítica, entre outros factores, mas infelizmente em Portugal, estes não têm sido os valores perseguidos pelas empresas, pelos seus gestores e pelos cidadãos !


Ao invés, em Portugal ganham sempre o facilitismo, a permissividade, a mediania de resultados, a "mesmice" e sobretudo a ganância de obter posições conquistadas não por mérito, mas por "cunha" ou "amizade", ou seja ganha quem seguir o caminho mais fácil e ao alcance de qualquer "esperto", que esteja disposto a não observar os mínimos preceitos éticos ou morais.

E de tal forma esta completa ausência de princípios está a dar os seus frutos em Portugal, que já contribuiu também para nos atirar para a mais completa falência, que o é afinal de todo um sistema e de uma Nação, mas também consequência de uma enorme crise de valores, relativamente à forma de encarar o trabalho e as próprias relações laborais de forma pouco sã, e sem olhar sequer para novas metodologias que introduzam maior rigor, eficiência e eficácia !


E fiquem todos cientes, empresários, gestores, políticos, governantes e cidadãos, de que não é a trabalhar mais e mais horas que se constrói um país mais digno e justo, e se obtem maior produtividade e a competitividade necessárias para o país poder saír desta crise e criar mais riqueza. Mas sim a trabalhar menos horas e melhor, muito melhor, mas também essencialmente de forma inovadora e com criatividade, eliminando a mediocridade e o imobilismo, premiando sempre e apenas o mérito e a capacidade de quem é capaz de fazer sempre melhor e cada vez mais eficazmente, na senda da excelência !


"Promova os falhanços excelente e puna o imobilismo e os falhanços mediocres" Tom Peters!


Francisco Gonçalves in 11 April 2011

21/04/2011

Segundo o Vice-Presidente do PSD, os beneficiários do RSI são um bando de ladrões !

Esta acusação grave aplicada mais concretamente à população mais pobre, e logo a mais fragilizada da sociedade portuguesa, e em tempos da maior crise que actualmente atravessamos, e também a que alguma vez o país sofreu, é de uma enorme desumanidade e este senhor provou com esta simples frase, que não está à altura de desempenhar qualquer função governativa no País. Da parte da direcção do seu partido, entretanto fez-se o mais absurdo silêncio que só pode revelar o pactuar com o que foi dito por este senhor!


E mesmo o Senhor Presidente da República continua a exercer a sua magistradura de silêncio, perante este e outros caso gravosos que ocorrem todos os dias, e assistindo impávido e sereno a um país, que a cada dia mais se afunda aos olhos de todos!

Este senhor, de seu nome Leite de Campos, que tem mais que idade, e julgo estudou o suficiente, para perceber o qual o valor da solidariedade numa democracia, não pode pura e simplesmente falar dos mais pobres e desfavorecidos desta forma ignóbil e baixa, principalmente quando ele e os do seu partido sempre estiveram calados perante o maior roubo e fraude perpetrado contra Portugal e os Portugueses, através do já celebre e menos impune caso BPN, onde os supostos autores da mesma, foram exactamente colegas seus de partido. E nunca ouvi este Sr. Leite de Campos, ou outros membros do PSD, dirigirem palavras tão duras a estes fraudulentos ex-colegas de partido que deixaram a Nação e todos os portugueses no mais completo estado de sítio, como as que agora demonstrou a coragem de dirigir publicamente aos mais pobres e frágeis da nossa sociedade democrática.


Então temos que, os pobres e cada vez mais fragilizados da sociedade, até devido principalmente às mais violentas fraudes, em que estiveram directamente envolvidos antigos membros e colegas do Sr. Leite de Campos, são por ele considerados todos ladrões (porque auferem míseros 242,00 Euros mensais) e os Srs. Oliveira e Costa, Dias Loureiro e muitos outros que me abstenho de mencionar aqui, são pessoas de bem e até merecem atenção das mais altas figuras do estado.

E assim vai a moral e os principios de uma sociedade que nada tem de democrática, e mais grave ainda quando este senhor se prepara eventualmente para conquistar um lugar de destaque no novo governo de Portugal, através das próximas eleições de 5 de Junho.

A este senhor que ataca os pobres e os mais fragilizados deste país e os insulta vilmente, ao mesmo tempo que se dá em convívios fraternos com os amigos de partido, que directa ou indirectamente permitiram a maior fraude da história do país, eu tenho uma pequena mensagem e experiência, ainda que apenas um fragmento da minha vida, para lhe contar.


Quando ainda era muito pequeno, mas já com um sentido de humanismo, talvez maior que o do Sr. Leite de Campos, e tendo frequentado os meus primeiros 3 anos da escola primária numa aldeia em que residiam os meus avós maternos, no bem interior do país, vi e sofri pelos muitos portugueses que tiveram que sair deste Portugal, à altura mísero país, nas condições mais difíceis que se podem imaginar e em emigração ilegal, pura e simplesmente porque não tinham sequer pão para dar aos seus filhos !

O país em que nasceram não lhes deu sequer alternativa, e tiveram que emigrar para outro país que fez o favor de os receber e lhes deu as condições para recuperarem não só toda a sua dignidade perdida, e mesmo garantirem um futuro para os seus filhos, o que de todos seria perfeitamente impossível em Portugal.


E são pessoas como o Sr. Leite de Campos, e por sinal o PSD, que ainda não desmentiu as afirmações graves proferidas por este senhor, que hoje têm a coragem e o previlégio também, de afirmar alto e bom som, que os "beneficiários do RSI são todos uns aldrabões!".

Pois eu vos digo e bem alto: Enquanto o povo Portugues não se unir e correr com toda esta gente (governantes e políticos) completamente amoral, aética e sem os mínimos princípios de vivência democrática em sociedade, e que permite que os seus amigos e colegas de partido, delapidem milhões de milhões de euros, e que põem em jogo e destroem mesmo as poupanças e a riqueza acumulada pelos contribuintes, através dos seus descontos de uma vida de trabalho dura e com salários de miséria, Portugal não terá qualquer futuro!

Demonstram-nos os últimos 37 anos de poder e de falsa democracia, culminando com actual completa falência do País, que perdeu inclusivamente a credebilidade internacional e é mesmo hoje visto como um país do Terceiro Mundo, com todas as consequências que daí advêm!


E como se isso não fosse suficiente, e para além de se terem dado ao luxo de atirar com o país para a falência, em vez de perseguirem quem roubou da forma mais criminosa, e contra todo um povo os muitos milhares de milhões de Euros, e até tentassem, por todos os meios posíveis e imaginários, recuperar esse dinheiro como se faz nos países civilizados, passam a perseguir e a criar politicas criminosas sistematicamente visando os mais pobres e carenciados, e a retirar-lhe o pouco do pouco a que eles, por lei e consagrado na constituição, até teriam direito !

Tal como diz o ditado popular, "Tão ladrões são os que foram à vinha roubar, como os que ficaram cá fora a guardar!".

Em suma temos uma classe de políticos e dirigentes que não prestam, não sabem gerir um país, são incompetentes, irresponsáveis, desumanos, e não têm sequer a idoneidade de respeitar, ou menos ainda, fazer respeitar a constituição portuguesa, que sempre juraram, de forma solene, fazer respeitar e defender ao longo de já 37 anos !


Gente assim não merecem sequer a nacionalidade portuguesa e o País não pode continuar a ser governado desta forma gravosa, incompetente, amoral, onde a democracia e a constituição continuam a ser palavras vãs !


Por Portugal e pelos Portugueses sempre !


Que o supremo interesse do colectivo e da nação passe rapidamente a prevalecer sobre os interesses pessoais mesquinhos e de grupos que se julgam donos de portugal e dos portugueses, e os escravizam da forma mais vergonhosa, perante o mundo que nos começa a olhar de forma incrédula !!


Como informação [RSI: valor médio desta prestação por agregado familiar é de 242 euros]


Mas eu quero continuar a analisar neste contexto os beneficiários do RSI e pegando numa das críticas que este senhor Leite de Campos, que por certo raciocina mas por terrenos muitos próprios de quem nunca na vida passou dificuldades, ou as viu sequer por perto, e ele afirma então o seguinte : "o actual sistema não é só quem mais precisa que recebe benefícios sociais, são os mais espertos e os aldrabões" e depois fala de "Sopa dos pobres e albergues", e eu aqui começo a sentir-me enjoado com tamanha falta de sensibilidade, isto para não ser mais desagradável para com este senhor, como tal fico por aqui.


Mais diz o mesmo senhor, e todos nós contribuintes percebemos talvez ainda melhor que ele, que cada beneficiário custa ao estado (a todos nós portanto) 275,00 Euros / Mês. Pois bem, então pensemos como pessoas honestas e de bem, e nesse sentido em espírito de comunidade, que é algo que os nossos politicos já nem sabem o que isto siognifica. Mas eu ajudo e diria que, para que o estado (ou seja nós os contribuintes) não fiquemos com a ideia de que estamos a ajudar "uma cambada de malandros que não quer fazer nada", e esta ideia não é minha é de alguns (muitos) portugueses a quem a tenho lamentávelmente ouvido isto, e muito me choca, mase por certo do agrado do dito senhor Leite de Campos.


Então para que estes beneficiários não usufruam de uma ajuda da comunidade (porque afinal é disso que se trata), sem que da parte deles haja a respectiva contrapartida, há soluções bem simples, que mais uma vez ainda não foram implementadas, por culpa tão somentes de políticos e governantes deste nosso país.

Para tal bastaria que as pessoas que estivessem a receber o RSI, e estando aptas através do respectivo exame médico, para desempenhar funções, terem a obrigação de contribuir com um minimo de horas de trabalho para a comunidade, por exemplo 2-3 horas por Dia (não mais porque estamos a falar de um subsídio médio de € 9.00 euros / Dia, logo vejam mesmo a miséria que andam a discutir!!). E esses beneficiários contribuiriam então com o seu trabalho honesto e de cidadãos exemplares, ajudando nos hospitais públicos, nos mais variados trabalhos que lhe estivessem ajustados, em limpezas nos municípios, como auxiliares nas escolas (e como faltam aqui recursos humanos), etc, etc.

Há por aí tanto trabalho para fazer, principalmente ao nível dos municipios e das escolas, que estes beneficiários pela certa não deixariam de dar o seu mais que justo contributo à sociedade pelo subsidio que estariam a receber do dito Estado.


Portanto, resumindo para quem possa não ter percebido ainda a ideia, estas pessoas estariam a receber o RSI, não por esmola, só não estão a prestar trabalhos para a comunidade (que lhes paga enfim 9,00 Euros por dia em média), por incúria dos nosso governantes, e apenas destes como se pode demonstrar.

E depois são esses mesmos políticos e governantes desumanos, sem nenhum espirito de comunidade ou de fraternidade, que ainda surgem a lamentar 9,00 Euros dia (em média por pessoa) que são pagos a cidadãos pobres e fragilizados e que vivem na mais absoluta miséria.

Tenhamos dó, sejamos no mínimo razoáveis e de bom-senso, igualmente fraternos, saibamos viver em comunidade e sobretudo aprendamos a respeitar os outros e a sermos cada vez mais "Fortes com os Fortes e Fracos com os Fracos", e não o contrário, como o demonstram estes políticos e governantes, que mais parecem ditadores e senhores absolutos, do que representantes do povo numa democracia.


E ainda por cima não fazem nada, mas nada, nem têm ideias sequer para que as coisas possam ser mais justas para todos nesta caso especifico; para os beneficiários e a comunidade, saindo ambos a ganhar!!

Em meu modesto entender o grande problema da nossa sociedade portuguesa, é que estaremos cada vez mais a viver tempos de um egocêntricos cego, sem a mínima capacidade de entender o próximo, e quando assim é, como queremos nós próprios ser felizes, se a condição base para entendermos o próximo, é conhecer-mo-nos a nós próprios!!


Em conclusão: Hoje em dia somos infelizes e fazemos os outros igualmente infelizes. E perante este facto, esta não pode portanto ser uma sociedade justa e equilibrada!! Que todos reflictamos sobre isto, também para nosso próprio equilibrio interno e maior progresso da nossa sociedade e da Nação Portuguesa!


Francisco Gonçalves

21 April 2011

francis.goncalves@gmail.com


20/04/2011

A maior catástrofe de Portugal é a ausência de soluções por parte de uma classe politica gasta e sem préstimo !


A maior catástrofe deste nosso país, em minha opinião, não é sequer a situação de falência e intervenção do FMI ou a nossa enorme dívida externa, se bem que sejam de enorme gravidade e estejam a afundar, a cada dia que passa ainda mais toda sociedade e a sua capacidade de retormar o ciclo normal de crescimento!

Mas o pior de tudo, e aquilo que nos deixa actualmente, a todos nós portugueses sem esperança, é já termos percebido que toda a actual classe politica não tem capacidade, competência ou mesmo a responsabilidade para tirar o país deste antro de corrupção e teias de influência, que minam a economia e a sociedade, e menos ainda capacidade e visão para criar uma estratégia coerente, para que num período de tempo razoável, digamos de 15-20 anos, se possa desenvolver a Nação, estimulando o seu crescimento, por forma a que esta e os seus cidadãos possam ter a esperança de que estão a trabalhar para a construção de um futuro melhor e mais justo !!

E esta é sim a mais grave e tormentosa situação de um país, que já não acredita nem tem esperança na construção de uma sociedade melhor, mais justa e mais fraterna. O desânimo instala-se a cada momento que passa, e as soluções são míriades, que se atravessam perante o nosso olhar, muito ao largo, de cada vez que os partidos políticos se degladiam em guerrilhas estéreis, sem até ao momento nenhum deles ter sequer sido capaz de apresentar uma solução clara, honesta e exequível para Portugal !

E entretanto o país continua a afundar-se na maior crise económica e social, de tragédias eminentes nem sequer imagináveis, perante uma classe politica atávica, incompetente, irresponsável e um Presidente da República completamente inactivo e expectante de que a crise passe ao seu lado, talvez!!

Pobre País, Pobre Povo, que também se auto-exclui de exercer uma cidadania activa e exigente e mesmo da discussão das soluções possíveis para a viabilização da Nação, e tal qual o PR, se mantém na expectativa de que a crise lhe passe ao lado!

Francisco Gonçalves
20 April 2011
Francis.goncalves@gmail.com


18/04/2011

Portugal - o maior falhanço de todas as democracias ocidentais !


Portugal representa hoje, passados 37 anos de restaurada a democracia, talvez o maior falhanço da Europa civilizada, em termos de uma implementação de um sistema e regime democrático!
E pior que isso, no culminar de 37 anos, foram já três as vezes em que foi necessário recorrer à intervenção externa, no caso o FMI, para colocar o país na ordem, em termos financeiros, e por arrasto impedir a implosão de uma crise maior de nível social sequer impensável, pelas drásticas consequências que traria a um país já de si bastante debilidado. E isto apenas devido à maior incompetência generalizada de todos os nossos governantes, que se demonstraram de todo incapazes para gerir os nossos recursos e principalmente conter o individamento externo, deixando-o crescer irresponsávelmente, para níveis que considero autênticamente criminosos para toda uma Nação!

A verdade dói eu sei! Mas pior do que a verdade é continuar a querer esconder a realidade aos portugueses, impedindo que estes tomem bem consciência da época crítica em que vivem, e do passado não melhor que já atravessaram sempre em sobressalto "democrático". Só perante a realidade as consciência poderão verdadeiramente tomar em consideração o quão dramática é a situação de cada português, e o quanto é urgente que cada um de nós sinta a necessidade de exercer com vigor, a cidadania a quem tem direito, no sentido de exigir dos nosso políticos e governantes, as adequadas medidas, para que possamos rapidamente sair do fosso a que nos conduziram deliberadamente ou inconscientemente, agora já tanto faz!!

Até porque se não forem os cidadãos a tomar atitudes concretas face à actual demência que varre a classe politica instalada no poder, as consequência poderão ser bem mais dramáticas, e é por isso que nesta nota faço questão de alertar para este facto!
Face à intervenção do FMI, e não tendo a nossa classe politica (oposição e governo!) qualquer ideia clara de futuro para o país, ou estarei enganado ou ainda não vi nenhum plano de acção de nenhum partido que me elucide como vamos ser capazes de superar esta crise de endividamento excesssivo, que nos afunda a cada dia que passa, e muito menos qualquer ideia sobre como desenvolver o País de forma inequívoca, colocando este de novo a gerar riqueza, para que como povo possamos sobreviver, num mundo cada vez mais competitivo e exigente.

Face a este deserto de ideias, a agravar tudo isto tenho recentemente ouvido fazedores de opinião, economistas de "trazer por casa" e outros especialistas de generalidades, que muito temos espalhados pelo país, mas que bem sabem manipular a opinião pública, e o que recentemente mais tenho percebido, deixa-me no mínimo estarrecido, eu que sou um normal cidadão, embora atento ao país e ao mundo.
E agora deixo de me dirigir não tanto aos pobres cidadãos deste país ocupado, e passo a dirigir-me à classe de doutos senhores cientes da sua sabedoria, que são os politicos, governantes e outras classes que dominam por completo a democracia portuguesa e a continuam a manter sua refém. Como tal vou a partir daqui referir-me a eles simplesmente como politicos, para mais fácil trato e compreensão.
E é sobre o que tenho vindo a escutar destes senhores tão vaidosos, não tanto da sua sabedoria, mas muito mais da sua esperteza, o que aqui vou passar a referir.

Trata-se pois do que tem vindo a ser defendido em público por estes "doutos" economistas e outros especistas não especializados, afirmando que os portugueses têm que reduzir o seu nível de vida, têm de gastar bastante menos, trabalhar mais e ainda poupar mais!
Bom, dito de outra maneira, os portugueses, que têm já os salários mais baixos da Europa, e apenas como um dos muitos possíveis termos de comparação, o salário mínimo em Portugal é de 485,00 Euros, enquando na Irlanda também em crise, é de 1.461,51 Euros. Como vêm é muito parecido e a crise quando vem não é para todos, ou será???!!

Sendo assim, continuarei com o meu raciocinio lógico, que é o seguinte: Então se os portugueses vão ter de ganhar ainda menos, trabalhar mais, gastar menos e poupar mais, eu pergunto em que mercado nos podermos enquadrar? Talvez na rota para o equador nos podermos juntar ali a Cabo Verde ou mesmo à Guiné, e aí estaremos nivelados em termos salariais, mas não em termos de custo de vida, porque o nosso continuará a reger-se pelo mercado Europeu!
Por aqui estamos conversados, pois se os portugueses que já são o povo que ganha menos na Europa, que paga impostos muito acima da média e que têm que suportar um custo de vida idêntico aos Europeus, com muitos produtos até mais caros, como os combustíveis, e outros bens até essenciais também mais caros, pois eu pergunto aos nosso sabidões governantes e politicos, o que esperam eles de um povo, assim obrigado a sobreviver nestas condições, de autêntico caos povoado de injustiças sociais gritantes ! Que sobreviva claro!!!

Claro que é por demais conhecido, que o povo português é de brandos costumes, aguenta carga de jumento sem se queixar há pelo menos 100 anos de republicas, suporta impostos e tratamento dignos de um escravo na idade média, e tudo isto carrega nas costas sem um queixume, isso todos nós sabemos!! Mas, senhores políticos  esquecem-se de uma facto básico de qualquer sistema, em que se inclui o humano, que não foge à regra: Estes têm o seu limite de exaustão, que uma vez atingido não respondem por si como é normalmente esperado !!

Todos os portugueses, até porque estamos num mundo globalizado (aproveito para dar vivas à globalização!!), sabem bem demais que qualquer empregado no Reino Unido, mesmo a limpar mesas, facilmente auferirá um vencimento mensal superior a £ 1700 Mês!!
E não vale apena aqui referir territórios de emigração férteis e atractivos para muitos e muitos Portugueses, na próxima década, (se sujeitos à miséria que lhes querem impor pela mais alta incapacidade e falta de visão dos seus governantes), sejam eles alguns países Africanos, Austrália, Europa, e até mesmo alguns territórios do continente Asiático, que se tornarão mais prósperos a curto prazo!
Portanto, como acabo de vos demonstrar, aquilo que andam meia dúzia de ilustre medíocres a querer vender, não é realmente uma solução para Portugal, antes sim o mais perfeito suicido assistido de uma nação, por um punhado de loucos!!

No fundo o que eles estão a dizer aos portugueses e bem alto, é algo do género: Bom," como os portugueses são incompetentes e não conseguem criar riqueza para viver como europeus ", têm que continuar a produzir e trabalhar como europeus, mas a ganhar 5-8 vezes menos que aqueles. Aí, como já referi, o país estará a caminhar para África, e na via do mais perfeito sub-desenvolvimento!!
Como facilmente poderão concluir, os grandes especialistas e políticos desta terra andam a vender aos portugueses uma impossibilidade, face à sua mais completa incompetência e irresponsabilidade bem patentes dos últimos 37 anos. E não esperem que estes agora de repente acordem, e como por milagre, se tornem competentes, rigorosos, honestos e responsáveis, e comecem finalmente a conseguir colocar o país no rumo do progresso e da criação de riqueza, pois não???!! Milagres já não acontecem hoje em dia, sabem disso??!

Agora eu digo-vos, o que este país precisa, e é a única solução para que não sejamos, em menos de 10 anos tão pobres como Cabo Verde, e que passa por um plano ousado de desenvolvimento da economia, reduzindo o estado a um órgão mínimo e eficiente (que custe 3 vezes menos do que actualmente custa) e ao serviço dos cidadãos e não o contrário, desenvolvendo um sistema de ensino voltado para o futuro e o desenvolvimento acelerado de competências, criando sinergias sérias entre as universidades e as empresas, gerando novas ideias, apostar massiva e seriamente nas energias renováveis a todos os níveis possíveis e imaginários, reactivando todas as indústrias tradicionais, inovando e exportando produtos e soluções que sejam vendáveis e competitivas no mercado externo, adoptando sistemas de gestão eficiente e eficazes, eliminação por completo da burocracia no estado e nas empresas, eliminação completa da corrupção e do tráfico de influências, etc, etc, por forma a que criemos mais riqueza, e simultaneamente possamos assegurar níveis de vida decentes para os Portugueses, e ao mesmo tempo criando uma sociedade mais aberta e mais justa.

Até porque não há escapatória, e a regressão de nível de vida só conduzirá a uma beco sem saída para Portugal, cujo caminho alternativo, e sem retorno, é a emigração massiva dos cidadãos.
E esta será bem mais profunda e grave do que a que ocorreu em meados do Salazarismo, porque nessa altura eram os menos instruídos que fugiam de portugal, porque não tinham que comer!
Agora serão exactamente os mais instruídos e aqueles com mais estudos e até mais "know-how", os primeiros a abandonar Portugal, deixando um rasto de pobreza ainda maior atrás de si, e um país que mais se parecerá com um deserto, tipo margem sul, com camelos e tudo à mistura!!
E estejam, senhores politicos bem certos disto: Se não formos capazes de fazer o que atrás indiquei, só nos resta a pobreza absoluta e o maior surto de emigração alguma vez visto, muito maior e mais grave para o país do que o fenómeno que ocorreu nos tempos de governação Salazarista!!

E se alguém conseguir destruir com factos e objectividade o que acabo de dizer-vos, estejam à vontade!!

Agora um último conselho - Comecem desde já todos, mas todos (políticos e portugueses em geral) a reflectir e a agir ou então a fazer as malas : As escolha é vossa!!

Nós e os Governantes: temos de agir já! ( http://www.youtube.com/watch?v=XCy3Un2GK_o&feature=share )

Francisco Gonçalves
18 April 2011
Francis.Goncalves@gmail.com

Translate