28/09/2014

A NEGAÇÃO DOS DIREITOS DE CIDADANIA AO POVO DE PORTUGAL

Todos os governos desde o 25 de Abril nunca respeitaram o povo, nem a sociedade civil, e isto em perfeito atentado à constituição da república(1), nomeadamente ao não darem qualquer hipótese de ouvirem, ou sequer de tentarem (e que devia ser sua obrigação também) envolver esta mesma sociedade civil e os cidadãos, na procura das melhores soluções para Portugal. Têm funcionado em circuito fechado e assim se blindaram em relação ao povo,  tendo-se constituído numa elite que se pode perfeitamente designar hoje pelo “triunfo dos porcos”, e com toda a propriedade e também apropriação farta!
Em Portugal o único sucesso é mesmo o destes “porcos”, porque os cidadãos honestos e trabalhadores, esses vivem em situação de degradação constante, apenas com deveres e já sem os direitos que a constituição lhes deveria assegurar, em função da sua condição de cidadãos de plenos direitos, e pelos os quais trabalharam, muitos deles uma vida inteira. Os direitos e todas as mordomias são apenas para esta classe de “porcos” triunfantes e hilariantemente dementes, na sua forma abjecta de exercício do poder sobre este pobre povo, em geral pouco esclarecido e assim facilmente manipulado e mantido na mais torpe mentira de sempre.
E, do alegre “triunfo dos porcos” estamos a passar rapidamente para a mais perfeita tirania das bestas!
O povo esse, lamenta-se e deixa-se escravizar eternamente e ainda mais disposto à subserviência em absoluta miséria existencial, na mais cordata acomodação e por entre uma cobardia angustiante, sempre envolvido num lodaçal de pobreza em crescendo, que está a afundar a própria nação.
É Portugal, no eterno retorno à sua essência, que é a pobreza sem fim (sobretudo de espírito!) de um indigno terceiro mundo!
1) Constituição Portuguesa Artigo 9º Alinea c) “Defender a democracia política, assegurar e incentivar a participação democrática dos cidadãos na resolução dos problemas nacionais;”
Francisco Gonçalves in 13May2013
Enviar um comentário

Translate