22/02/2013

Uma reflexão sobre uma perspectiva de futuro para Portugal baseada na felicidade dos seus cidadãos !


Todos sabemos que a inveja é um sentimento humano básico e do qual já nos deveríamos ter libertado. Mas no sentido evolutivo tal só será possível quando vivermos numa sociedade inteiramente democrática, com cidadãos verdadeiramente livres e um sistema de justiça igual pata todos. 
"O meu ideal político é a democracia, para que todo homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado." [Albert Einstein].

Vejamos o caso do Portugal actual, uma sociedade assimétrica, com um dos maiores fossos entre ricos e pobres, próprio de um terceiro mundo, um sistema de justiça do mais desigual que existe à face da terra, que até a ministra da justiça definiu recentemente como "existindo uma justiça para pobres e outra para ricos", entre muitas outras disfunções. Mesmo a justiça aplicada aos pobres é disfuncional, baseada em artifícios como os compadrios, desleixos organizacionais, as demoras processuais, burocracias, etc. O mesmo se passa com a impunidade na legislação laboral e a própria forma como o mercado de trabalho se impõe aos trabalhadores, sempre baseada num poder administrado de forma feudal, e até inquisitorial, deixando sempre os mais fracos submetidos a um poder aviltante e abjecto, que é causa maior de sofrimento humano.

Obviamente que numa sociedade assim governada de forma abjecta e sendo os cidadãos obrigados a suportar a impunidade, a injustiça, o terror, a ignomínia por parte das instituições, que ao invés o deveriam proteger ou no mínimo tratar de forma humana, lógica e fatalmente tal só poderá traduzir-se em relações entre cidadãos e o poder, baseadas em mecanismos de defesa/ataque disfuncionais, que apenas revelam os piores sentimentos que os seres humanos albergam dentro de si.
‎"A natureza fez o homem feliz e bom, mas a sociedade deprava-o e torna-o miserável."
[Jean Jacques Rousseau]

Assim a inveja é apenas um desses sentimentos que os cidadãos acabam por revelar e até potenciar, mas apenas por culpa de uma sociedade e uma governação de poder abjecto que destrói as relações entre os cidadãos e os coloca em alerta máximo contra os poderes abomináveis, perpetuados ao longo de séculos. E numa lógica de poder de quem sempre os escraviza e trata de forma indiscriminada e perfidamente, ao invés de os incentivar a seres cidadãos de bem, pertencentes a uma comunidade que é a nação e com um valor individual único que fomentasse o sentimento de pertença e o orgulho de nela se inserirem.

Enquanto os governos não assumirem uma lógica de humildade, de transparência, de abertura em relação aos cidadãos e um espírito e missão na prestação de serviços à comunidade, que se traduz na nação, continuaremos a ter um país disfuncional, triste, pobre, miserável, improdutivo , com cidadãos infelizes e a sofrerem diariamente às mãos de um poder abjecto. Algo que em pleno Séc XXI nos deveria envergonhar perante o mundo, mas aparentemente os poderes actuais são mesmo compostos por autênticos caras-sem-nenhum-vergonha"!

Portugal evoluir nestas condições é impossível e espero que todos possamos reflectir (governantes e governados) sobre esta lógica de destruição e anulação individual e colectiva, a que temos vindo a ser submetidos, e sem fim à vista!

Estamos em pleno Séc XXI e é um imperativo que todos nós cidadãos sejamos mais felizes e mais aptos, como forma de conseguirmos superar os novos desafios que o progresso da humanidade nos coloca, mas para isso precisamos primeiro de assumir que para tal é requerido um novo modelo de governação e novas relações de transparência e sem nenhuma subserviência entre governantes e governados.

Só assim poderemos cumprir Portugal e os cidadãos continuarem a acreditar num futuro melhor e mais justo para todos.

"A democracia é algo de impossível enquanto o poder não puder ser partilhado por todos"
[Gandhi]

Viva Portugal!

Francisco Gonçalves "in" Notas Soltas.
francis.goncalves@gmail.com
22Feb2013

‎"Acreditar que tudo tem solução não é optimismo! É talento!" [Autor desconhecido]

Anexos:

Os caminhos em curso para o aprofundamento das democracias em torno de novos governos abertos e melhoria das práticas de governação, tornando-as abertas à participação dos cidadãos e totalmente transparentes.
http://www.youtube.com/watch?v=4HirFryqAjI

Apresentando uma Declaração sobre um Parlamento aberto à participação directa pela sociedade e transparente -
http://blog.okfn.org/2012/08/31/introducing-the-declaration-on-parliamentary-openness/

A Declaração de Princípios Governamentais Abertos a adoptar pelos poderes centrais e locais -

"Com o desenvolvimento de novas tecnologias e uma população cada vez mais conectada e engajada, uma crescente pressão foi colocado nas [cidades] e nos líderes do governo, no sentido de adoptarem práticas de governo aberto que irão promover a transparência, a participação cidadã e colaboração. A fim de mudar a forma como o governo funciona, prestação de serviços públicos mais eficazes, e estabelecer uma democracia mais robusta, [Nome Concelho] adopta os seguintes princípios de governo aberto (..)."


https://docs.google.com/document/d/1342pZNqbcpRt5AQj98LGJOYoyoewqARzJ_OZkNkNlWw/edit

Enviar um comentário

Translate