01/04/2013

Administrar ou assediar?

Administrar ou assediar?
Johnny L. Notariano, publicado em 20/04/2008

Se administrar for estar à disposição de lideranças que limitam a iniciativa dos subordinados; manipulam o conhecimento; sonegam informações; não permitem o acesso a elas e respondem com punições a qualquer atitude contrária, então estamos vivendo ainda o período feudal onde a única lei para os subordinados era o castigo, chicotadas e o desprezo.

O valor e utilidade de um homem só se mede depois de lhe dar liberdade de acção, assim como para se conhecer um homem, é só lhe dar um cargo de liderança. Um antigo ditado popular diz inclusive que "se queres conhecer a dimensão de um homem passa-lhe uma vara para as mãos" !!!

Um administrador, um director, um chefe quando humilha e coloca lá em baixo o funcionário, não está cônscio do grande equívoco cometido causado pela própria ignorância ou maldade. Imediatamente, o administrador, desce junto e não percebe, com certeza, chegará o dia que ele se abismará definitivamente e sem retorno.

Parece que tudo é levado pela tendência. A moda é resultante de tendências. Tudo leva a crer que o espaço para a cultura, o conhecimento e gentilezas, não existe mais, é a falência dos bons costumes. Humilhar já é moda e a aceitação é uma grife.

É repugnante qualquer acção que vá de encontro à auto-estima de funcionários e as características são de extravasar a própria incompetência; inocular em si mesmo um veneno devastador e mortal. Esses pseudo chefes, são os conhecidos ESCORPIÕES, ARACNÍDEOS do assédio moral, os covardes da liderança, que ao se verem perdidos, começam a vomitar toda a sujeira que tem dentro de si. Elegem por meio da instalação do terror, aquilo que chamam de justiça; eficiência e excelência administrativa.

Será que eu sou algum opositor do nosso actual sistema administrativo e de Recursos Humanos? Pregam hoje que devemos nos acostumar com essas distorções administrativas e aberrações sociais. Se concordarem com a humilhação e a insegurança que se instalou como moda, como o Assédio Moral que atinge em pouco tempo toda a estrutura organizacional de uma instituição, ou pecarem pela omissão e fazer de conta que tudo está bem; aí sim, para muitos, eu sou um grande opositor desse tipo de gestão.

Incrível, esses CANALHAS também têm direito à defesa, o princípio do contraditório não pode ser violado. Por isso se aproveitam dos direitos dos ofendidos e como o HIV, se escondem no núcleo da célula sadia, para depois destruí-la.

O medo é a maior arma que eles usam para assediar um funcionário e espalham boatos de intimidação para que ninguém denuncie as ocorrências. Pregam a ineficiência de qualquer defesa por parte dos funcionários ao dizer que não existem leis contra o assédio moral e com isso continuam na propagação da cultura do medo; terror e intimidação. Como o satanismo, faz as pessoas acreditarem que eles não existem.

Medo quando se tem razão? Lembrem-se, Golias era um gigante invencível; David, pequenino demais perto do Grande Gigante Golias, derrotou-o com uma pedrinha chamada, inteligência. Aceitar a humilhação? Aceitar o errado? Mudanças existem como sinónimos de renovação e está na hora de mudar; oportunidades de repensar a vida, união para o mesmo objectivo. Os superiores não fazem reuniões ¿ Por que não promover reuniões de funcionários contra esses assediadores!

Algumas instituições estão fadadas à falência administrativa e social. A partir do momento que deixam de reconhecer um colega; um amigo, em prol de uma amizade apodrecida que vive pelo medo; pela calúnia; pela bajulação e pelas ameaças do isolamento, é lamentável, mas a mediocridade dominará as relações interpessoais de trabalho e a empresa ou instituição, terá tudo para não dar certo

Dinheiro não é tudo e lembrem-se, quando um navio afunda, os primeiros que fogem são os ratos. Perniciosos, espertos, têm o contraditório a seu favor, pois os ratos também amam e o banquete que eles preparam, é sempre com nossos alimentos, roubado de nossas virtudes e de nossa moral. Nada melhor que uma boa saúde para enfrentá-los no momento certo 

Agora para aqueles que vivem da humilhação, da bajulação, da perseguição, do Assédio Moral contra os indefesos, um recado. Tudo o que se faz aparecerá e quando abordei sobre a necessidade dos funcionários se reunirem, muito cuidado com colegas conhecidos por DEDO DURO. Não se esqueçam, não existe nada que se comente em Petit Comitèe que não chegue aos ouvidos dos grandes nas grandes assembleias. Confiram as notícias da política nos jornais diariamente! 

A capacidade de desenvolver um trabalho, cujo resultado é o sucesso pessoal e para a organização o privilégio dos bons resultados, não é muito bem recebida por aqueles que remam no sentido contrário. Manipulam e determinam todo o comportamento do trabalhador. Reprimem as iniciativas e tolhem a vida profissional e familiar do outro. Reflictam como a instituição paga um preço caro quando se defronta com problemas de Assédio Moral. O Jurídico dessas organizações perde muito tempo com acções desnecessárias, quando poderia usar melhor esse tempo que dedicam à empresa.

Reunião não é só para chefes, os funcionários também precisam pensar na importância de se reunir contra essa corja de assediadores da moral e da sanidade de todo um país e da sociedade em geral.
Enviar um comentário

Translate