16/04/2013

O Povo e as nossas elites e governantes corruptos! Como inverter esta podridão amoral !?


Ainda lembro bem do meu contacto directo, em aldeias desde país soberano e ao longo de quase duas décadas, convivendo com GENTES POBRES E SIMPLES, mas sempre honestas, em que a dignidade, a moral, a honestidade e o carácter que vi e presenciei em comportamento de todas elas nas suas comunidades, e posso assegurar-vos que os seus princípios, moral e eticamente  estão num plano muito acima de qualquer politico ou juiz deste pobre e corrupto país!  

País este em que a própria Organização de Transparência e Integridade Internacional, classificou o Parlamento como o centro da corrupção em Portugal. Querem mais provas que estas para vos convencer que vivemos num país dominado e governado pela iniquidade e pela mais vil corrupção?

Por isso defendo o povo ao poder, que é o seu legitimo dono e senhor, de acordo com a nossa constituição ainda hoje e a implementação de um a democracia directa, conforme o preconiza também a nossa actual constituição, ao referir-se ao “aprofundamento da democracia..”.

Este povo de que falo e conheço bem, é todo ele gente integra,  sã, honesta,  generosa e de moral elevadíssima, algo que não vejo por estas cidades há muitos e muitos anos!
Ora esta é a democracia que é preciso construir, na base da simplicidade e da moral deste povo pobre mas honrado e sem qualquer mácula.
Por isso mesmo temos que começar a construir o país a partir de baixo, começando aldeia a aldeia, vila a vila, cidade a cidade, e o país começara a ser governado pelo povo que é gente de bem!

E se a justiça continuar a não funcionar, o povo também a saberá fazer, porque a moral do povo é a mais elevada e a dignidade de um pobre está acima de qualquer juiz da actualidade deste pobre País devastado por anos de corrupção!

Por um Portugal democrático, Aberto, Transparente e Justo na sua plenitude!

VIVA O POVO DESTE PAÍS, AINDA A TEMPO DE CONTINUAR UMA NAÇÃO SOBERANA!

Francisco Gonçalves in “Notas Soltas” 22 Nov 2012
e-mail: francis.goncalves@gmail.com


Enviar um comentário

Translate