06/01/2014

Portugal e o toque de finados pela III República!

Portugal está mesmo empestado de um nauseabundo cheiro Salazarento e as organizações do estado continuam a funcionar (salvo excepções) sem nenhuma transparência e abertura para os cidadãos, tal como no regime do Ditador. A juntar a tudo isto, uma certa classe de poderosos (ou Párias) que se acham acima da lei e da constituição e se arrogam a comportamentos e atitudes, com tiques, na integra, próprios de um regime ditatorial. 

Ainda no mercado de trabalho impera a ideia do chefe-capataz do século passado e as empresas continuam a não ter lideres e a serem incapazes de inovar, também devido a esta forma medieval de gerir os trabalhadores, apenas sabendo-se impor pela força e pelo posição hierárquica, algo que nos deixa atrasados em mais de 50 anos, relativamente aos países mais avançados e produtivos.

"Atingir a excelência só pode ocorrer se a organização promover uma cultura de insatisfação criativa".- Lawrence Miller -
E pela certa não é através de uma gestão de recursos humanos sempre imposta pela força, que Portugal vai chegar a algum lado! Estaremos condenado a uma produtividade cada vez mais baixa e até estou em crer que muitos países de África nos ultrapassarão. Isto se não mudarmos a nossa aproximação às estruturas organizacionais, transformando-as em estruturas colaborativas e flexíveis, adequadas aos novos tempos.

Mas isso aparentemente só é possível com uma completa transformação da sociedade e do aparelho de poder e sistema politico-partidário, que estão obsoletos, corruptos, sem soluções para o país e incapazes de se regenerarem, para se adaptarem aos novos tempos de mudança e de globalização da economia.

Francisco Gonçalves in “Notas Soltas” @ 14Dec2012
( Francis.Goncalves@gmail.com )
Enviar um comentário

Translate