06/01/2014

Portugal - O futuro não está a passar por aqui !

Como já referi inúmeras vezes em notas neste espaço do FB, estamos pelas mãos desde fantástico governo de gestão, de volta à década de 60 e agora sim, com um atraso relativamente aos paises desenvolvidos, de muito mais de 60 anos, sobretudo ao nivel cultural e grau de literacia, que ainda por cima é hoje crucial para uma nova economia, que já se perfila no horizonte, assente na inovação e na criatividade!!

E mais caricato ainda, estando nós entre os países desenvolvidos, não passamos  de facto actualmente, de um país sub-desenvolvido, em muitos dos domínios e de acordo com os critérios hoje empregues para tal determinar. 

E a economia da exportação dos sapatos, dos queijos e dos têxteis  (de que que recentemente têm sido pregadas loas!), já não pode ser solução por muitos mais anos, a não ser que regridamos para a esfera dos países sub-desenvolvidos, que hoje estarão em condições de produzir como nós, ou até melhor, sobretudo se apetrechado com novas tecnologias, e maior nivel de automatização cada vez mais ao alcance do mundo inteiro. 
O que nós deveríamos ter desenvolvido ao longo destes últimos anos, era a massa cinzenta dos nossos cidadãos,  para que tivéssemos agora lugar no campeonato, em que já não é o capital intensivo que domina a produtividade e competitividade, mas sim o "know-how" intensivo, a capacidade de inovar e criar conceptualmente, novos produtos e serviços e exportar essas competências em larga escala.

"Não podemos mais prosperar através do aumento simples da produtividade humana. Quanto mais tentamos fazer, mais pobreza, vamos criar." [Paul Hawken]

Mas como nos deixamos ficar nas mãos de politicos medíocres, que apenas conseguem ver (e mal) um palmo à frente do nariz, a nossa situação é no entanto a mesma e o desafio continua de pé (mas muito,  muito dificil de atingir no nosso caso), para todos os países da Europa e é simplesmente este "INOVAR OU MORRER" !

" A principal meta da educação deverá ser a de criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram. Homens que sejam criadores, inventores, descobridores. A segunda meta da educação é formar mentes que estejam em condições de criticar, verificar e não aceitar tudo que a elas se propõe." [Jean Piaget]

Francisco Gonçalves in 16April2012
francis.goncalves@gmail.com
Enviar um comentário

Translate